Languages

Music

Matizes

2007

About the Album

“Matizes”, Djavan´s 18th album is, as you can see, the most radically individual album he has ever made and that´s not only because it consists of 12 exclusive new compositions of his own. Even the label, Luanda Records, has his signature on his third release. And even the CD cover, squares à la Mondrian, that goes on changing the color subtly, searches for revealing the authorial intention of the author: reveal an unique musical expression, so characteristic, on its several hues (“Matize”).

Djavan is an ambitious author since he launched himself as an author in 1976 on board of mega-hits such as “Fato Consumado” and “Flor-de-Lis”, quite different sambas that astonished the Brazilian musical scene, while already carrying a large experience acquired at the nightclubs in Rio and at the studios where he lent his voice to soap-operas themes. Now, more than one more author´s album, Djavan celebrates in “Matizes” the various tones of his vast work.

Músicas

  • 1

    Joaninha

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    5:34

    Autor/Written by :Djavan 

    Editora/Publisher : Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Max Viana: guitarra/eletric guitar 

    Djavan: guitarra de nylon/nylon guitar 

    Marcelo Martins: saxofone tenor/tenor saxophone 

    Walmir Gil: trompete/trumpet 

    François Lima: Trombone/Trombone

    Letra

    (Djavan)

    Tudo passa
    Enquanto a hora espera
    Quando ave noturna pia
    Todos piam, eu espio,
    Noite fria, na luz guia
    Do luar, que lugar...
    Que lugar, que lugar

    Quando é hora
    O amor se vai embora
    Sem saber como seria
    Mais um dia se recria
    Na paixão, outro chão,
    Outra vez, toda vez,
    Toda vez, toda vez...

    A vereda é azulada
    E sofrida a solidão
    Que sem chão
    Faz morada no descaminho
    Bem quando a luz do cacto
    Reflete ao sol altivo
    A chuva rompe o pacto
    Inundando a tarde quente
    E o prazer que sente a joaninha
    Quando anda pela flor
    Ganha um quê de sacrifício e dor

    Volto a contemplar
    O firmamento
    Bruma que o cobria
    Esvaneceu

    Cheia de pesar
    Estrela espia
    A luz do luar
    Que a escondeu

  • 2

    Azedo e Amargo

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:39

    Autor/Written by : Djavan 

    Editora/Publisher: Luanda Edições Musicais 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Djavan e Max Viana:guitarra/eletric guitar 

    Marcelo Martins: saxofone tenor/tenor saxophone 

    Walmir Gil: trompete a surdina/surdine trumpet 

    François Lima: trombone e trombone a surdina/Trombone and surdine Trombone

    Letra

    (Djavan)

    Ela é chegada
    Em azedo e amargo
    Leite com sal
    E outros bodes
    Se ela fosse planta seria
    A comigo-ninguém-pode

    Em seus cabelos
    A curva da fita
    Prende a flor da madrugada
    Mas nas unhas se vê
    O quanto é aflita, invocada

    Por amor
    Ando por onde for
    Por você faço o que for
    Pra viver
    Deixa vir

    Diz-me por onde ir
    Corre atrás
    Pra não ter dúvidas mais!
    Verga esse traço

    Que a induz à solidão
    Deixa que um abraço
    Em sua onda de calor
    A revele, leve,
    Apta até pra ilusão...

    Sonho percorrê-la
    Por estradas vicinais
    Conhecer por dentro
    Como a luz nos cafezais
    Pra contê-la e tê-la
    Nos lençóis vazios
    Dos meus ais

  • 3

    Mea-culpa

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:14

    Autor/Written by : Djavan 

    Editora/Publisher: Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Max Viana e Djavan: guitarra/eletric guitar 

    Marcelo Martins: saxofone tenor/tenor saxophone 

    Walmir Gil: trompete/trumpet 

    François Lima: trombone/trombone

    Letra

    (Djavan)

    Eu não digo
    Que se trate de um amor perdido
    Resta a chama, mas a hora
    De fazer o mea-culpa é agora
    E exibir outros dados
    Que impliquem outros resultados
    Com a bênção do perdão
    Por que não, por que não?

    Não botei fé
    Nunca dei margem pra sofrimento
    Tô atento, mas os dias
    Com a marca da melancolia
    São lembrados!...
    E é possível
    Que no afã de uma ou outra briga
    Tenha errado sem perdão
    Mas quem não, mas quem não?

    Não sei se o meu rival
    Descrito como o tal
    No seu caso de amor
    Vacilou
    Não fez o que é
    Pra se fazer
    Mas sei que o passado
    Vem cobrar meu bem,
    E nessa é um tal de chorar
    Viver no bar buscando aliviar
    A dor da solidão, sem ação
    Só pensando em voltar
    A sorrir ou chorar
    Com a vida
    Que antes parecia rasa e cinza
    Em verdade
    Era pão, era vinho, era chão

  • 4

    Imposto

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:15

    Autor/written by: Djavan

    Editora/Publisher: Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: piano/piano 

    Max Viana: guitarra/eletric guitar 

    Djavan: voz/vocal e guitarra/eletric guitar

    Letra

    (Djavan)

    IPVA, IPTU
    CPMF forever
    É tanto imposto
    Que eu já nem sei!...
    ISS, ICMS
    PIS e COFINS, pra nada...
    Integração Social, aonde?
    Só se for no carnaval
    Eles nem tchum
    Mas tu paga tudo
    São eles os senhores da vez
    Tu é comum, eles têm fundo
    Pra acumular, com o respaldo da lei
    Essa gente não quer nada
    É praga sem precedente
    Gente que só sabe fazer

    Por si, por si
    Tudo até parece claro
    À luz do dia
    Mas claro que é escuso
    Não pense que é só isso
    Ainda tem a farra do I.R
    Dinheiro demais!
    Imposto a mais, desvio a mais
    E o benefício é um horror
    Estradas, hospitais, escolas
    Tsunami a céu aberto,
    Não está certo
    Pra quem vai tanto dinheiro?
    Vai pro homem que recolhe
    O imposto
    Pois o homem que recolhe
    O imposto
    É o impostor O voto no Congresso tem que ser aberto
    O povo tem que saber quem ta votando o quê!

  • 5

    Delírio dos Mortais

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    3:48

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/publisher:  Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: piano/piano 

    Max Viana: guitarra/eletric guitar 

    Djavan: violão/acoustic guitar 

    Marcelo Martins: saxofone tenor/tenor saxophone

    Walmir Gil: trompete/trumpet 

    François Lima: trombone/trombone 

    Letra

    (Djavan)

    Rio,
    Podem dizer o que quiser
    Mas o xodó do povo
    É o Rio
    Casa do samba e do amor
    Do Redentor
    Louvado seja o Rio,
    Rio
    Pra delírio dos mortais
    Pedras monumentais
    Combinaram aqui
    Um encontro colossal
    E contorno de beleza igual
    Nunca vi
    Com esse poder
    Outra cidade não há
    Não consigo pensar em duas
    É muito fácil sentir
    A mão de Deus em tudo
    Em Copacabana
    O Rio bate um bolão
    Garotas que passam têm lugar na canção
    Tudo está ali
    Pra quem sabe o que é bom
    Ninguém mais esquece o réveillon
    Fevereiro e março
    É tempo de carnaval
    O Rio que traço
    É o lugar natural
    Pras coisas do amor
    Do jeito que se quer
    Tamanho o esplendor da mulher

  • 6

    Louça Fina

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    5:09

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Max Viana: guitarra/steel guitar 

    Djavan: violão/acoustic Guitar 

    Marcelo Martins: flauta/flute 

    Walmir Gil: flugelhorn 

    François Lima: trombone/trombone

    Letra

    (Djavan)

    Boa, meiga, franca
    Justiceira, tu me gustas
    Chantilly num pedaço de bolo
    Louça fina, mãos do meu amparo
    Luz acesa
    Pra que eu possa seguir...
    Diz-me aí, sou todo ouvido:
    Que só quer comigo
    Ninguém mais, nada mais que o querer
    Que o contrário não põe mesa
    Inda traz tristeza
    ... isso não se vai ver!
    Tudo pra mim
    É riqueza, é riqueza
    Porque passo ao lado teu
    E todo amor
    Tem um sonho, tem um sonho:
    Propagar-se por terras antes perdidas,
    Dando vida a um viver
    Boca-luva, rosa-vulva,
    Insuficiente o ar;
    Vertigem, só de pensar!
    Cores se acabando de alegria
    Onde nasça flor
    Em qualquer ramo pálido que já foi dor
    É o que eu desejo
    Pra nós dois
    Todo mês
    Tudo em paz
    Toda vez
    Minha amada
    Se eu sei bem
    Sei que mais
    Não se tem, não se tem!

  • 7

    Matizes

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:38

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/Publisher : Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Max Viana: guitarra/eletric guitar

    Letra

    (Djavan)

    Você vem de longe
    De outra vida, de outro lugar
    Se o meu sangue foge
    É você que acabou de chegar
    O amor consome
    Desde quando é só afeição
    Pois já traz seu nome
    Como dona do meu coração
    Mas você se admira
    De me encontrar
    Já eu fiquei bem perto
    De tremular
    Ficamos sós
    Perdi a voz
    Você sorriu
    Foi quando eu ri também
    Pensei que morreria...
    Ainda bem!
    De puro amor
    Você tentou amenizar
    Aquela emoção
    Apanhando uma pedra no chão
    Amor não pede nada
    E o que sente logo exibe
    Você, mesmo abalada,
    Tem um encanto
    Que me inibe
    Na íris dos meus olhos
    Mergulhavam seus matizes
    A planejar o beijo
    Que o desejo
    Já exige.

  • 8

    Por uma vida em Paz

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:43

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/Publisher: Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass  

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Djavan e Max Viana: guitarra/eletric guitar 

    Letra

    (Djavan)

    Não sei bem o que dizer
    Sobre o mal na Terra:
    Acho que amor hesitou!
    A devastação da mata
    Traz morte e medo
    As guerras: caos e miséria
    O incontrolável degelo
    Não vai trazer
    Futuro algum
    Não vai.
    O homem quer sempre mais!
    Mas se não faz o pão
    O que vai ser
    Dos filhos
    Não é dizendo não
    Que vão crescer
    Os lírios
    Saber doar
    Renunciar, dividir
    Devia vir de qualquer um
    Viver já
    Vamos usar essa lei
    Depois de tanto dano
    O que não falta
    É aviso
    Pra que não haja engano
    Posso ser mais
    Conciso
    Por uma vida em paz
    Tudo o que for
    Preciso
    Juízo

  • 9

    Desandou

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:35

    Autor/written by: Djavan

    Editora/Publisher: Luanda Edições Musicais

    Voz: Djavan

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Djavan e Max Viana: guitarra/eletric guitar

    Letra

    (Djavan)

    Me diga já
    O que foi que aconteceu
    Você e eu
    Era tão bom
    Lembro-me bem
    Quando a gente se encantou
    Você trazia
    Nos olhos
    A lã do primeiro amor
    Peguei na mão
    Da vida eu não mais queria
    Naqueles dias
    Imaculados
    E num abraço
    Quis roubar um beijo seu
    Mas você deu
    Foi algo!
    Indescritível
    O mais que podia
    Me arrebatou
    Mas nesse beijo
    Só tinha alegria
    Faltava dor
    Você foi prum lado
    E eu pro outro
    Aí desandou...

  • 10

    Adorava me ver como seu

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:48

    Autor/written by: Djavan

    Editora/Publisher: Luanda Edições Musicais

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Max Viana: guitarra solo/solo guitar 

    Djavan: guitarra/eletric guitar

    Letra

    (Djavan)

    Será que alguém
    Saberá dizer
    Vendo de fora
    Como é viver
    Longe da mulher
    Que a gente adora
    Não há festa que chegue
    Pra tristeza ceder lugar
    Não sei se alguém
    Pode mensurar
    O que perdi
    De tanto sonho
    Que cultivei
    E não vivi
    Adorava me ver como seu
    Sempre adorei mas não deu
    Das vezes que contei
    Com uma virada
    Nada tenho a dizer
    Só cabeçada
    Cansei
    Time empatou
    Com o Madureira
    Deus, o que foi que eu fiz?
    Nasci
    Pra ser o amor
    E ela mela o jogo
    Me teve
    E não me quis

  • 11

    Pedra

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:37

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Djavan e Max Viana: guitarra/eletric guitar 

    Marcelo Martins: saxofone tenor/tenor saxophone 

    Walmir Gil: trompete/trumpet 

    François Lima: trombone/trombone

    Letra

    (Djavan)

    Sede de amor
    Febre de anseio
    Quase a escuridão
    Você partiu, me reduziu,
    Amor, me perco em lágrimas
    Não mais a vi, desde abril, fui pro mar
    E você lá deitada na pedra
    Que inveja dessa pedra
    O que ficou, eu compreendi,
    Face àquela visão
    O que era amor inda me diz:
    Pena que tudo acabe
    Um lance novo me despertou
    Desde já, só quero estar
    Com quem me serve
    E, de resto, serei breve!
    Nada fica em pé
    Pra quem se quebra numa paixão
    O mundo é vão
    E tudo é só um oco absurdo
    Não mais me vejo assim
    Tô a pé, mas chego onde vou
    Revê-la só foi ruim
    Porque nada me causou
    Doeu, me ressenti
    Quando você me desprezou
    Mas hoje estou aqui:
    Algo como uma flor na pedra
    Preste a nascer

  • 12

    Fera

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    7:27

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais 

    João Viana: bateria/drums 

    Sérgio Carvalho: baixo/bass 

    Renato Fonseca: teclados/keyboards 

    Max Viana: guitarra/eletric guitar 

    Djavan: violão/acoustic guitar, solo/solo e voz/vocal

     

    Letra

    (Djavan)

    Você é coisa demais
    Que mau eu não saber lidar
    Com tudo isso de uma vez
    Eu sei, mas eu vou dar tudo
    Vou enfrentar um mundo assustador
    Pra conquistar o coração da fera
    Que me fere com amor
    Cai o sol no mar
    É um milagre eu não me afogar com a tarde
    Sou quem arde cego de paixão
    Abra a porta então
    Deixe eu pensar que por ser assim sou amado
    Perdido ou desejado,
    Estar contigo me faz tão bem
    É amor, bem
    E eu nem sei se você vai me amar
    Ninguém, só você, meu bem
    Pode fazer meu coração sofrer