Languages

Music

Milagreiro

2001

About the Album

“Milagreiro” represents coming back home twice. The first is a literal return as this is Djavan´s first album recorded at home in the professional studio he built in his own house and counts on the strong helping hand from his children what reinforces the homey mood. Max plays electric guitar, Flavia Virginia is present, once again, as a lyricist in “Infinitude” and, João Viana, his son, participates on the drums.

The second coming back is symbolic, the coming back to Alagoas. For this reason, in this album, there is a strong connection with the Northeast. From the photo essay by Miguel Rio Branco that illustrates the booklet to the poem by the Minas Gerais native, almost Northeastern, Adélia Prado, besides all the tracks, everything refers to the region.

A reminiscent atmosphere is also present in “Milagreiro” since many songs bring remembrances of Alagoas, the Northeast, childhood, the sea and the hinterland. The tracks “Om”, “Meu” and “Ladeirinha” express it very well.

Hugo Sukman

Músicas

  • 1

    Farinha

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    3:36

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    João Viana: bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra/eletric guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards

    Letra

    (Djavan)

    A farinha é feita
    de uma planta da família das euforbiáceas
    de nome manihot utilíssima
    Que um tio meu
    Apelidou de macaxeira
    E foi ai que todo mundo achou melhor!

    A farinha tá
    No sangue do nordestino
    eu já sei desde menino
    o que ela pode dar

    E tem da grossa, tem da fina
    Se não tem da quebradinha
    Vou na vizinha pegar

    Pra fazer pirão ou mingau
    Farinha com feijão
    É animal!

    O cabra que não tem eira nem beira
    Lá no fundo do quintal
    Tem um pé de macaxeira

    A macaxeira é popular
    É macaxeira pr`ali, macaxeira pra cá
    E em tudo que é farinhada
    A macaxeira tá

    Você não sabe o que é farinha boa
    Farinha é a que a mãe me manda lá de Alagoas!
    Você não sabe o que é farinha boa
    Farinha é a que a mãe me manda lá de Alagoas!
    Você não sabe o que é farinha boa
    Farinha é a que a mãe me manda lá de Alagoas!

  • 2

    Om

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:32

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais


    Voz: Djavan

    João Viana: bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra/eletric guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards
    Max Viana e Renato Fonseca: loop
    Max Viana: guitarra solo/solo guitar

    Letra

    (Djavan)

    Eu já nem sei quem sou
    Tão dedicado a ti
    um cobertor pro frio

    Queria ser teu "om"
    Viver grudado,sim
    Sempre ali, sempre ali

    Não sou nada indelével
    Sou instável como a cidade
    Mas carrego pau e pedra
    Só para ver-te mais à vontade

    Sem o mar a cobrir-te
    De sombras ou cores
    Livre pra amores
    Desses que vêm e vão

    Sob o bronze da noite
    Onde o mais são estrelas
    Todas ali para vê-la
    Como fazer com os homens

    Ah! você que nasceu com o leito pro rio
    Que desafio querer-te acompanhar!

  • 3

    Meu

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    3:54

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: violão acústico/acoustic guitar
    João Viana: percussão/percussion
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra semi-acustica/semi-acoustic guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards
    Max Viana e Renato Fonseca: loop

    Letra

    (Djavan)

    Você sabe fazer
    Tudo o que faz
    nada existe em você
    Que eu não goste demais
    Quando você diz:
    "Me apaixonei por você, meu"
    Faz a cara feliz
    De quem sabe o que é seu
    Eu nunca vi nada assim "ô loco"!!!

    É como faz o amor pra se proteger
    Dá um "zignal" na dor
    É vetado sofrer
    Discordar, discutir
    Nada é mais saudável, não, não, não
    Um olhar neném de ser
    Logo fecha a questão
    Eu nunca vi nada assim "ô loco"

    Ar, só com você
    Mar, com você qualquer fundura dá
    Tudo é tão meu
    Quando você vem se chegando
    Chegando de um modo só seu

  • 4

    Ladeirinha

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    3:38

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: guitarra de nylon/nylon guitar
    João Viana: bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra distorcida/distorted guitar
    Renato Fonseca: piano/piano

    Letra

    (Djavan)

    Quase à noitinha ela desce
    A ladeirinha que faz
    Lado com o meu quintal
    Os seus passos ágeis, livres
    Trazem o amor ideal

    feito de laço, posse, viço
    Vertical na dor
    E um sol todo tempo a brilhar
    Pelos rios, matas virgens
    Desse seu corpo
    Que eu desejo amar

    O dia é vago
    Quando eu não a flagro a sorrir
    Para mim
    Posso ver imagens no nada
    Duendes no edredon
    E é só dormir

    Para ouvir em qualquer lugar
    Sirenes no ar
    Ressaltando você

    O dia nasce e você
    já envolta num véu
    Traz a luz
    Flores se esgarçam num bailado
    Em busca de atenção

    Mais nada existe
    Enquanto a vejo passar
    O que é seu andar?
    Que ventura esse chão!

    Tudo mais é puro alvoroço Que a imagem de um colosso
    Provoca dia a dia

  • 5

    Infinitude

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    5:16

    Autor/written by: Djavan/ Flávia Virgínia
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais e Mubairi (Luanda)

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    João Viana: percussão/percussion
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: violão de 12 cordas/12 string guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards
    Renato Fonseca: loop

    Letra

    Letra: Djavan
    Música

    Eu vou cantar pra você
    Do que é feito o novo amor:
    de um outro amar, que é ceder
    pela unidade de todos nós

    Reinventar, reviver,
    Ressignificar o amor
    Que esse que está
    Já não dá, caducou

    Essa já não é mais a época
    De se ligar na própria dor!
    E guerrear, sempre em nome do amor

    Pois o que ele quer
    É crescer o mais que der
    Até a infinitude

    Do olhar, do ouvir
    Nas mãos em algum jardim
    Da gente da terra enfim

    Crescer, buscar
    Até chegar a Deus
    Pra amar essa terra e os seus

  • 6

    Milagreiro

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    5:44

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais / Sony Music

    Participação Especial/Special Guest: Cássia Eller (voz/vocal)

    Djavan: guitarra de nylon/nylon guitar
    João Viana: percussão/percussion
    Sergio Carvalho: baixo fretless/fretless bass
    Max Viana: violão/acoustic guitar
    Renato Fonseca: piano/piano
    Renato Fonseca: solo de piano/ solo piano

    Letra

    (Djavan)

    Agora vamos ter os girassóis do fim do ano
    E o calor vem desumano
    Tudo irá se expandir
    Crescer com as águas

    Quiçá, amores nos corações

    E um santeiro
    Milagreiro
    Prevê a dor
    De terceiros
    E diz que a vida é feita de ilusão

    Aquela que um dia o fez sonhar
    Se foi com o outro
    No dia em que os dois
    Se casariam por amor
    Ele aluou

    Hoje o seu pesar
    Cintila nos varais
    Usou as sete vidas
    E não foi feliz jamais

    Toda a imensidão
    Passou pela vida
    E foi cair na solidão

    Mais um santo para esculpir é o que lhe vale
    Pra evitar que o rancor suas ervas se espalhe

  • 7

    Brilho da Noite

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    5:05

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    João Viana:bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra/eletric guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards

    Letra

    (Djavan)

    Que será que existe
    Além desse olhar
    Quanto há de segredo?
    Q entre Mozart e Liszt
    Por quem optará
    Encara as alturas
    Ou a placidez?

    E em caso de amor
    Virá tateando,
    Ou irá por onde eu for?
    Matinal ou vampira,
    Afeita ao pecado?

    Seja agulhada ou zen

    Sou mais você e mais ninguém
    Para me tirar desse caos onde estou
    Doido pra amar, louco de amor!

    Quando quero ficar feliz
    Começo a pensar
    Em você me lambendo
    Me vejo atuar
    Em seu filme
    E bem enquadrado
    Posso conferir sua perfeição:
    Que mal
    Pro meu coração...

    Brilho da noite
    Causa perdida
    Meu horizonte
    Tudo na vida

  • 8

    Além de Amar

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    3:36

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais 

    Participação Especial/Special Guest: Marcus Miller

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    Marcus Miller: baixo fretless/fretless bass

    Letra

    (Djavan)

    Quero esquecer
    É como nódoa e não sai
    Nem pra fugir,
    Sair já não me distrai
    Como extinguir
    As sobras de uma paixão
    Retidas no mais secreto vão

    Tanto a dizer
    Mas tais palavras não saem
    Donas de si
    Pra não me verem ruir me traem
    Eu me perdi
    E eu não sei como explicar
    O que foi que eu fiz
    Além de amar?

    Ou é desamor ou é intriga
    Seja o que for
    Já nos desune
    Se é por amar que a gente briga
    Bem pode ser ciúme

    Mas tudo é pouco
    Pra tanto sofrer sem razão
    Pra convencer meu coração

  • 9

    Lugar Comum

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    5:41

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    João Viana: bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra/eletric guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards

    Letra

    (Djavan)

    Acho bom tu relaxar
    Aqui, mal começou
    Quer valer como isso vai
    Madrugada romper?

    Vê como isso tá show
    Olha aquela lá, que blusão
    Parece a mesma que tu pegou
    E beijou na boca
    Muito arriscado
    A lá o negão!

    Cada uma mais demais
    E neguinho mandando ver
    Ouvido aqui ouve de tudo
    Menos sobre amor de mãe

    Aqui tá bom pra mentir
    Lugar assim ninguém nem tá aí
    Aqui eu posso ser quem sou
    Ou ser ator...
    Tá ficando um arrocho danado

    Tô quase maluco
    É demais o cheiro que a gente tem
    E com tantos dedos
    A coisa melhora bem

    Qual domador
    O dj Dom Pepe põe na coleira
    Dark, metal, charm, punk, funk
    Rasta, ploc, clubber

    Lugar comum
    Onde todos querem amar sem sofrer
    Hum! E essa mulher, pura chave de cadeia
    O que quer, o que faz
    Na minha teia?

    Se ferrou!
    Estou sonhando...

  • 10

    Sílaba

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

     4:22

    Autor/written by: Djavan / Lulu Santos
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais e Spell (Amar)

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    João Viana: bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo/bass
    Max Viana: guitarra/eletric guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards  

    Letra

    Letra: Lulu Santos
    Música: Djavan

    Quem me dirá, não o que desejo
    Nem o que sei, mas aquilo de que preciso
    Sem botar nem tirar uma sílaba?

    Quem saberá contar o enredo
    Sem alterar o tom, o teor e o desfecho
    Sem errar nem mudar uma vírgula?

    Toda amizade tem seus deslizes
    Da empolgação à desilusão
    É o afã que a gente tem sabendo onde vai dar
    Num cenário idealizado

    Bem que o desejo
    Fala mais claro
    Diz logo ao que vem
    Sem enrolação
    Mas se alguém insiste em ficar boiando na dor
    Ora, faça-me o favor!

  • 11

    Cair em Si

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    4:51

    Autor/written by: Djavan
    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais


    Voz: Djavan

    Djavan: guitarra/eletric guitar
    João Viana: bateria/drums
    Sergio Carvalho: baixo fretless/fretless bass
    Max Viana: guitarra/eletric guitar
    Renato Fonseca: teclados/keyboards

    Letra

    (Djavan)

    Às vezes parece um tambor
    Mas não é tambor nem nada
    É o coração

    Que fica entre a paz e o terror
    Quando vejo a sua cara
    Entre as caras da multidão
    Logo fico cansado
    Como se tivesse estado a correr
    Num segundo já me sinto
    Sem uma gota de sangue

    Mal consigo respirar,
    Sobreviver
    Só Deus sabe o saldo
    Creditado ao amor que lhe dou
    Se terei sono tranqüilo
    Ou vida sobressaltada
    Não sei nada
    Não sei nada

    Olhar pro sol
    Vencer o mar
    Admitir
    Brigar com o par
    Isso é nada

    Não ter você
    Cair em si
    Morrer de amor
    Não é o fim
    Mas me acaba