Languages

Music

Coisa de acender

1992

About the Album

“Coisa de Acender” is Djavan´s most partner oriented album. Here he initiates one partnership with Caetano Veloso which has been cherished for many years and seemed to have always existed.

And the resulting “Linha do Equador” justifies expectations. Caetano´s lyrics on Djavan´s melody sound like Djavan´s lyrics, full of unusual images describing love, composed in Caetano´s style, that is, full of references related to modernism and the tropicália.

A master of both lyrics and music, Djavan indulges in alternating collaborations sometimes with music like in “A Rota do Indivíduo (Ferrugem)”, some other times with lyrics as we can see in “Alívio”, his first partnership with bass player Arthur Maia.

Deepening his partnership with his daughter Flavia Virgina, who contributes in the vocals on many tracks, Djavan entrusted her with the French part of the lyrics for “Andaluz”, an apparently Spanish song with a globalized spirit.

Among all of Djavan´s albums co-produced by American Ronnie Foster, perhaps “Coisa de Acender” is the one that is the most subtle and full of nuances. It goes from an ultra-pop song like “Se”…, the big radio hit of the album, to the author´s incursion into Northeasthern musical challenges in “Violeiros”, treating the genre with uncommon harmonic depth.

“Coisa de Acender” is actually an album of love songs, better still, of trying to express love – the theme of 98% of the songs in the world – in an original way.

“Outono” and especially “Baile” are like that, and this is the one that gave rise to the enigmatic album title seen from Djavan´s particular point of view.

Hugo Sukman

Músicas

  • 1

    A Rota do Indivíduo (Ferrugem)

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan/Orlando Moraes

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais Ltda/GPA Edições Musicais

    Djavan: voz/vocal e violão/acoustic guitar
    Jorge Del Barrio: arranjo para quarteto de cordas/arrangement for string quartet e regência/conductor
    Endre Granat, Alex Horvath: Violinos/violins
    John Scanlon: viola/viol
    Richard Treat: violoncello/cello

    Letra

    Letra - Orlando Moraes
    Música - Djavan

    Mera luz
    Que invade a tarde cinzenta
    E algumas folhas deitam sobre a estrada
    O frio é o agasalho
    Que esquenta
    O coração gelado
    Quando venta
    Movendo a água abandonada
    Restos de sonho
    Sobre um novo dia
    Amores nos vagões
    Vagões nos trilhos
    Parece que quem parte é a ferrovia
    Que mesmo não te vendo te vigia
    Como mãe, como mãe
    Que dorme olhando os filhos
    Com os olhos na estrada

    E no mistério solitário da penugem
    Vejo a vida correndo parada
    Como se não existisse chegada
    Na tarde distante
    Ferrugem ou nada

  • 2

    Boa Noite

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor: Djavan 

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: voz/vocal e violão/acoustic guitar
    Torcuato Mariano: guitarras base e solo/ solo and rhythm guitars
    Arthur Maia: baixo/bass
    Carlos Bala: bateria/drums
    Ronnie Foster, Paulo Calazans e Glauton Campello: teclados/keyboards
    Marcelo Martins: sax/saxophone
    Luis Jakha e Djavan: percussão/percussion
    Djavan, Flavia Virginia, Be Happy: vocais/vocals

    Letra

    (Djavan)

    Meu ar de dominador
    Dizia que eu ia ser seu dono
    E nessa eu dancei!
    Hoje no universo
    Nada que brilha cega mais que seu nome

    Fiquei mudo ao lhe conhecer
    O que vi foi demais, vazou
    Por toda selva do meu ser
    Nada ficou intacto

    Na fronteira de um oásis
    Meu coração em paz, se abalou
    É surpresas demais que trazes
    'Inda bem que eu sou Flamengo

    Mesmo quando ele não vai bem
    Algo me diz em rubro-negro
    Que o sofrimento leva além
    Não existe amor sem medo
    Boa noite!

    Quem não tem pra quem se dar
    O dia é igual à noite
    Tempo parado no ar, há dias
    Calor, insônia
    Ô noite!

    Quem ama vive a sonhar de dia
    Voar é do homem
    Vida foi feita pra estar em dia
    Com a fome, com a fome, com a fome

    Se vens lá das alturas com agruras ou paz
    Oh, meu bem, serei seu guia na terra
    Na guerra ou no sossego sua beleza é o cais
    E eu sou o homem
    Que pode lhe dar, além de calor, fidelidade

    Minha vida por inteiro eu lhe dou
    Minha vida por inteiro eu lhe dou
    Minha vida por inteiro eu lhe dou

  • 3

    Se

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: voz/vocal e violão/acoustic guitar
    Arthur Maia: baixo/bass
    Carlos Bala: bateria/drums
    Paulo Calasans e Glauton Campello: teclados/keyboards
    Djavan: percussão/percussion
    Flavia Virginia, Cecília Spyer, Eveline Hecker, Beth Bruno e Kika Tristão: vocais/vocals

    Letra

    (Djavan)

    Você disse que não sabe se não
    Mas também não tem certeza que sim
    Quer saber?
    Quando é assim
    Deixa vir do coração

    Você sabe que eu só penso em você
    Você diz só que vive pensando em mim
    Pode ser
    Se é assim

    Você tem que largar a mão do não
    Soltar essa louca, arder de paixão
    Não há como doer pra decidir
    Só dizer sim ou não
    Mas você adora um se...

    Eu levo a sério mas você disfarça
    Você me diz à beça e eu nessa de horror
    E me remete ao frio que vem lá do sul
    Insiste em zero a zero e eu quero um a um

    Sei lá o que te dá, não quer meu calor
    São Jorge, por favor, me empresta o dragão
    Mais fácil aprender japonês em braille
    Do que você decidir se dá ou não.

  • 4

    Linha do Equador

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor: Djavan/Caetano Veloso

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais /Uns Prod. Art.

    Djavan: voz/vocal e violão base/base guitar
    Torcuato Mariano: violão solo/ solo guitar
    Arthur Maia: baixo/bass
    Carlos Bala: bateria/drums
    Paulo Calasans: teclados/keyboards
    Glauton Campello: piano/piano e teclado/keyboards
    Marcelo Martins: sax/saxophone
    Marcos Suzano, Marco Lobo: percussão/percussion

    Letra

    Letra - Caetano Veloso
    Música - Djavan

    Luz das estrelas
    Laço do infinito
    Gosto tanto dela assim
    Rosa amarela
    Voz de todo grito
    Gosto tanto dela assim

    Esse imenso, desmedido amor
    Vai além de seja o que for
    Vai além de onde eu vou
    Do que sou, minha dor
    Minha linha do Equador

    Esse imenso , desmedido amor
    Vai além de seja o que for
    Passa mais além do
    Céu de Brasília

    Traço do arquiteto
    Gosto tanto dela assim
    Gosto de filha música de preto
    Gosto tanto dela assim

    Essa desmesura de paixão
    É loucura do coração
    Minha Foz do Iguaçu
    Pólo sul, meu azul
    Luz do sentimento nu

    Esse imenso, desmedido amor
    Vai além de seja o que for
    Vai além de onde eu vou
    Do que sou, minha dor
    Minha linha do Equador

    Mas é doce morrer nesse mar de lembrar
    E nunca esquecer
    Se eu tivesse mais alma pra dar
    Eu daria
    Isso pra mim é viver

  • 5

    Violeiros

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan 

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais
    Letra: Adaptação livre de poema de Manuel Bandeira/ Lyric: Free adaptation of a poem by Manuel Bandeira

    Djavan: voz/vocal e violões/acoustic guitars
    Torcuato Mariano: violões aço/steel guitar
    Arthur Maia: baixo/bass e flatless
    Glauton Campello: teclados/keyboards
    Marcelo Martins: flautas/flutes
    Luís Jakha: percussão/percussion

    Letra

    (Djavan)

    Anteontem, minha gente
    Fui juiz numa função
    De violeiros do nordeste
    Cantando em competição
    Vi cantar Dimas Batista e Otacílio seu irmão
    Ouvi um tal de Ferreira
    Ouvi um tal de João
    Um a quem faltava um braço
    Tocava com uma só mão
    Mas como ele mesmo disse
    Com veia de emoção
    Eu canto a desesperança
    Vou na alma e dou um nó
    Quem me ouvir vai ter lembrança
    De Tomás de um braço só

    Outro por nome de Euclides
    Pedia com voz mais rouca
    Maior atenção de Eurides
    Mas dizem que ela era mouca
    Já o Joca de Carminha
    Não via a hora chegar
    Por onde anda Nezinha
    Que não vem me ver cantar?

    Aquilo é mulher de lua
    Dia tá bem, outro não
    Gosta de mim , mas não vê
    Futuro na profissão
    Mesmo assim jurou que vinha
    E me fez ficar contando
    Sem saber cadê Nezinha
    Joca foi desanimando

    Friagem no lajedo
    No ar do olhar um tormento
    Cantar os males mode apagar
    Um amor ardendo

    Dentre todos repentistas
    Zé Jacinto é o mais menino
    Esse nem tava na lista
    Mas é neto de Jovino
    João Braúna e Pernambuco
    Arribaram sem cantar
    Um porque tava de luto,
    O outro não quis explicar

    Cá no desvão do nordeste
    A vida não vale o nome
    É gente que nasce e cresce
    Pra dividir sede e fome

    Mal come‚ou Zé de Tonha
    Todos caíram vencidos
    Cantando suas vergonhas
    Foi ele o mais aplaudido

    Friagem no lajedo
    No ar do olhar um tormento
    Cantar os males mode apagar
    Um amor ardendo

  • 6

    Andaluz

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan / Flavia Virginia

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: voz/vocal, violões nylon/nylon guitar e aço/steel guitar
    Arthur Maia: baixo/bass
    Paulo Calasans e Glauton Campello: teclados/keyboards
    Marcelo Martins: flautas/flutes
    Léo Leobons: percussão/percussion
    Djavan, Flavia Virginia e Be Happy: vocais/vocals

    Letra

    (Djavan)
    Letra em francês - Flávia Virgínia

    Estrela minha
    Luz do dia abacate e mel
    Cheiro de haxi
    Tarde de frio
    Beija-flor, flores na varanda se transam
    Sombra de luz
    Ui de amor frugal, casa azul

    Babalaó, Olorum
    Alá, Dalai-lama
    Vigiai governador
    Porque o povo, Virgem Maria!
    Sai da janela se quer sonhar
    Vem pra cama
    Deus lhe fez viver
    Pra me querer amor

    Quase dois mil
    Salvaria a arara azul
    O circo é Orfei
    Vai lua, é dia
    Deixa vir os raios de sol
    Tens a noite
    Longe de mim
    Sevilha incensa o ar andaluz

    Babalaó, Olorum
    Alá, Dalai-lama
    Vigiai governador
    Porque o povo, Virgem Maria!
    Sai da janela se quer sonhar
    Vem pra cama
    Vem pra ca pra você ver
    O que é bom pra você

    Montes au ginkgo
    Plein de rameaux
    Viens d'ici soup'onner des oiseaux
    Qui ne volent pas
    Viens tu voler
    Je voyage partout
    Mais mollo
    Soit l'image de tout
    Le point ou
    Se va bouger,

    Sortes du ginkgo
    Plein de remeaux
    Il y a prés d'ici um caraco
    Si tu le reine de tous
    Comme la mousse
    Qui j'ai rien fait
    Bien fait...
    Bien fait
    Bien fait
    Bien fait

    Gens et ginkgo
    Pleins de remeaux
    C'est Jolie
    Comme la poésie de Rimbaud

  • 7

    Outono

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: voz/vocal e violão/acoustic guitar
    Arthur Maia: baixo/bass e flatless
    Carlos Bala: bateria/bass
    Glauton Campello: piano/piano
    Paulo Calasans: teclados/keyboards

    Letra

    (Djavan)

    Um olhar uma luz
    Ou um par de pérolas
    Mesmo sendo azuis
    Sou teu e te devo
    Por essa riqueza
    Uma boca que eu sei
    Não porque me fala lindo
    E sim, beija bem
    Tudo é viável
    Pra quem faz com prazer

    Sedução, frenesi
    Sinto você assim
    Sensual, árvore
    Espécie escolhida
    Pra ser a mão do ouro
    O outono traduzir
    Viver o esplendor em si

    Tua pele um bourbon
    Me aquece como eu quero
    Sweet home
    Gostar é atual
    Além de ser
    Tão bom.

  • 8

    Alívio

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan /Arthur Maia

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais/Sony Music

    Djavan: voz/vocal e percussão/percussion
    Torcuato Mariano: guitarra/eletric guitar
    Arthur Maia: baixo/bass e flatless
    Carlos Bala: bateria/drums
    Ronnie Foster, Paulo Calasans, Glauton Campello: teclados/keyboards

    Marcelo Martins: sax alto

    Letra

    Letra - Djavan
    Música - Arthur Maia

    Aturei andar de bar em bar
    Na contramão
    Pra seguir a sua direção

    Vou na praia e todos são iguais
    Queimados ou não
    Sempre a procurar sem direção

    Aturdido sem sentido
    Não sei onde vou
    Toda hora é como agora
    É viver só pra lhe esperar

    Eu queria tanto descansar
    O meu coração
    Uma nova má notícia não

    Seja lindo amor bem-vindo
    E cresça o quanto for
    Me apareça e faça o seu gol
    Pra eu respirar e ter alívio
    E nessa condição
    Vou poder me situar
    Em seu convívio

    Tão colorido
    Quiçá no lado azul
    Areto, branco, qualquer cor
    Mas sempre vivo

  • 9

    Baile

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    Autor/written by: Djavan

    Editora/publisher: Luanda Edições Musicais

    Djavan: voz/vocal e violão/acoustic guitar
    Torcuato Mariano: guitarras/eletric guitar
    Arthur Maia: baixo/bass
    Carlos Bala: bateria/drums
    Paulo Calasans e Glauton Campello: teclados/keyboards

    Letra

    (Djavan)

    Tarde tramando a noite
    Luz e trevas no ar
    Trocando beijos

    Atração de azougue
    Guiando a carruagem do desejo
    Pra resultar num luar, talvez

    Que eu espero tão claro
    Quanto o sonho de ter você comigo
    Dia dos namorados
    Há de te receber em meu abrigo

    Ginseng , ópio, coisa de acender
    Não tem poder de me ligar
    Um beijo seu pode muito mais
    Faz a cena mudar
    Acender
    A cidade para o baile que é você
    Minha amada, minha estrada, meu viver
    A saudade vem dos mares

    Densa como uma nuvem
    Decidida a cobrir toda a cidade
    Penso em ti me dá medo
    Não suporto um dedo de saudade

    Pra te esperar eu vejo TV
    Dizem que a nova era
    Trará algo de bom pro mundo inteiro
    No jornal da TV
    Mais um homem recua por dinheiro

    Ginseng, ópio, coisa de acender
    Não tem poder de me ligar
    Um beijo seu pode muito mais
    Faz a cena mudar
    Acender
    A cidade para o baile que é você
    Minha amada, minha estrada, meu viver
    A saudade vem dos mares

    Sonho, odisséia, magia, lógica, poesia
    Dor , édem , unidade, alegoria, toque , amplidão
    Semente, linguagem, alimento, futuro, aura,
    Espelho, via, eterno, átomo, matéria, nada,
    Arte, tudo somos

    Na insanidade exata do amor
    Na insanidade exata do amor