Languages

Djavan superstar

Nesta semana, Djavan se apresentou em sua cidade natal, Maceió, e fez dois shows emocionantes da turnê Ária.


Por conta dos shows na cidade, o jornal gazeta de Allagoas fez uma matéria super bacana com o cantor, leia um trecho aqui:

 

Mais bem-sucedido artista já surgido em Alagoas, Djavan se apresenta hoje e amanhã em Maceió com o show da turnê Ária
ELEXSANDRA MORONE - Editora de Cultura

Não é de hoje, mas nunca é demais lembrar: Djavan Caetano Viana, cantor e compositor nascido em Maceió no dia 27 de janeiro de 1949, é figura obrigatória no time dos artistas que renovaram a música brasileira. A repercussão de seu trabalho, porém, não ficou restrita aos limites da história – Djavan é atualmente um dos mais bem-sucedidos nomes do showbiz nacional, e sua agenda não deixa dúvidas quanto a isso.


Atração hoje e amanhã no Teatro Gustavo Leite, a turnê Ária, por exemplo, está prestes a desembarcar na África portuguesa (Cabo Verde e Moçambique) e nos próprios domínios lusitanos (Lisboa e Porto), isso depois de ter passado por Nova York, Santo Domingo, Miami, Boston, San Francisco e Los Angeles, nos EUA. Maceió, por sinal, é um dos últimos pousos do artista em solo brasileiro antes da partida para o exterior: cumprida a etapa que incluiu cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Natal, Recife, Fortaleza e Cuiabá, as próximas paradas são Aracaju, Salvador e São Paulo.

Com Marta, um paralelo entre vida e carreira
Gazeta – Na reportagem que foi ao ar há pouco mais de 15 dias no programa Esporte Espetacular, da Rede Globo, você e a jogadora Marta fizeram uma espécie de tabelinha de talentos saídos de Alagoas: ela, nascida em Dois Riachos, é a melhor jogadora de futebol do mundo; você, nascido em Maceió, é um dos compositores que transformaram nossa música. Dá para traçar um paralelo entre a sua carreira e a dela?

Djavan – Eu acho que sim. Acho que a sofisticação que ela tem jogando, eu tenho no meu trabalho. E eu espero que você entenda muito bem para não parecer uma coisa boba, arrogante... Acho que o tipo de trabalho que nós fazemos tem uma pegada especial, distinta, original. Eu faço um trabalho que é bem personal, e a Marta joga um futebol que nenhuma outra jogadora do mundo joga. A Marta tem essa peculiaridade. Ela tem uma inteligência jogando futebol que não é própria das mulheres... Não é a inteligência que não é muito própria das mulheres, veja bem. É a inteligência para o futebol... É você saber como tocar na bola, descobrir espaço vazios, ter a inteligência de saber como chutar, como se posicionar para receber, como lançar, como passar... Ela tem todos esses fundamentos que o grande craque de futebol tem. E eu faço um trabalho, como você sabe, muito pessoal. É um trabalho original, um trabalho que quem gosta de Djavan só vai encontrá-lo em mim. Então eu acho que talvez esse paralelo faça sentido.

 

 

 

Add new comment

ÚLTIMAS NOTÍCIAS