Idiomas

Música

Vidas Pra Contar

2015

Sobre o Álbum

"Vidas pra contar", vigésimo terceiro disco de Djavan, conta vidas reais, mas sob o filtro da poesia, do espanto pelo detalhe. Em 12 faixas inéditas revela um compositor maduro que consegue ser pessoal seja exercitando seu estilo consagrado, seja experimentando outras linguagens.

A atordoante diversidade musical, que confirma a potencialidade criativa de Djavan, é transformada em linguagem musical pela banda que o acompanha e pelos arranjos do próprio compositor. Pode-se dizer que "Vidas pra contar" é um disco de Djavan e banda, o núcleo rítmico composto por piano (e teclados) de Paulo Calasans, baixo de Marcelo Mariano e bateria de Carlos Bala, além de violões e guitarras de João Castilho e do próprio Djavan e sopros de Jessé Sadoc e Marcelo Martins.  

Cantor, compositor, letrista, guitarrista e arranjador em todas as faixas, Djavan tem nessa banda de virtuoses a sua voz musical: uma voz que ao mesmo tempo esbanja estilo e por outro conversa com toda a tradição da música popular em que sua mãe o introduziu ainda na infância.

(Hugo Sukman – Outubro 2015)

Músicas

  • 1

    Vida Nordestina

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 04:02
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00002)

    Djavan – Voz
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Viola de 10
    Marcelo Martins – Flauta em sol
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    A vida não é de festa
    Para o povo do sertão
    Mas até quem não tem empresta
    Dá a mão
    A vida é mais dolorida
    Pra esse povo sofredor
    Mesmo assim só se vê perdida
    De amor
    Até o lar onde falta o pão
    Tem lá seus dias de alegria
    Ao abrigar uma novena
    Pra fazer oração
    A fé do povo é o que há de seu
    Sem ela tudo vai ser pior
    Nem roça, nem gado,
    Existem sem Deus
    Mas quando é dia de festa
    Todo povo do sertão
    Dança para aparar as arestas
    Do coração
    As moças já tão bonitas
    Ficam lindas como quê
    E o homem nem acredita
    No que vê
    Vestindo igreja e palácio
    Coroa e catedral
    Para o reisado se dançar
    Chegança e pastoril
    Se dança pelo Natal
    Dia de reis é o final
    Coco de roda e toré
    Orgulho da região
    Que agradava a Lampião
    Guerreiro e maracatu
    Quadrilha e bumba-meu-boi
    E só saudade
    Depois.

  • 2

    Só pra ser o sol

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) - 04:08
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00003)

    Djavan – Voz
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Trompete
    Marcelo Martins – Sax tenor
    Paulo Calasans - Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Cheguei assim normal, cabreiro,
    Mas, chegando bem
    Uhu! Você disse que vinha e veio
    Não acreditei
    E cheguei a tremer
    Pensei em você virando armário
    Pra chegar em mim
    Que bom! Te ver
    Tão linda e desejada...
    Você comigo tudo é muito antigo
    Novo é amar
    Eu quero o mundo pra te dar
    A fim de te merecer
    O quanto esperei?
    Primeiro encontro:
    Tudo é tanto e como bate fundo
    Poder te amar e não pretender
    Mais nada nesse mundo
    Ui, demorou, fui
    Pro meio do laço,
    Ai, e quem não vai
    Eu vou e faço,
    Ali, como não ir?
    Agora é hora,
    Ui! Pronto já fui:
    Virou história
    Lá, o céu azul
    E mesmo o mar
    É todo azul
    Por ela!
    Fiquei assim, bobei, não sei
    Nunca vi nada igual
    Eu tenho pra mim que você veio
    Só pra ser o sol.

  • 3

    Encontrar-te

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) - 04:17
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: LB-LRO-15-00004)

    Djavan – Voz e Violão
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo Fretless
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Flugelhorn
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Qualquer lugar
    Em que eu vá
    Encontrar-te
    Com o desejo
    À flor da pele
    Por fim,
    Destacaria o teu agir
    E o modo de sentir
    Como sendo vitais
    Pra mim
    Não é possível
    Descrever
    Como me encantas
    Mais que o outono
    Faz com os vales
    De abril
    Tu tens a natureza
    Aos pés
    Por isso é que tu és
    Estrela, mesmo
    Em céu de anil
    Há paixão nos ares,
    Mas só no amor
    Se vai longe
    Seja eu de mais ninguém
    Não é porque queres
    Que é só teu
    O meu pensamento
    Sei que tenho
    A ti também
    O espetáculo em teu olhar
    Fez escândalo
    A boca é farta
    Entre beijar e dizer
    Não faço nada sem te ouvir
    E há muito decidi
    Amar-te enquanto
    Eu viver

  • 4

    Primazia

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 04:00
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00005)

    Djavan – Voz e Guitarra
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Violão
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Fique assim, assim
    Dê continuidade à mulher
    Que me faz tão bem como é
    Que vem no meio da noite
    Procurar o que quer
    Seja assim, assim
    Sempre uma pessoa do bem
    Que amar é tudo o que tem
    Porque maior doçura
    Não existe em ninguém
    Sou estável
    Mas, sem ti não sei quem sou
    Me enamorei e é pra casar
    Primazia
    De quem tem um grande amor
    É escolher
    Viver como for!
    És o mar em mim
    Vago em tuas sendas azuis
    Só para perder-me em ti
    É embriagador
    Quando me conduzes
    Tudo fosse assim,
    Ninguém saberia sofrer
    Nem se poderia supor
    Um mar de ilusão
    Onde se debater
    Sou estável
    Mas, sem ti, não sei quem sou
    Me enamorei e é pra casar
    Primazia
    De quem tem um grande amor
    É escolher
    Viver como for.

  • 5

    Não é um bolero

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) - 04:23
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00012)

    Djavan – Voz e Violão
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Eu não digo que não:
    Ela é bela e fera,
    Mas não pondera
    E me deixa doidinho
    Quando eu penso que sim,
    Ela dá de ombro
    E eu me escombro
    Sozinho
    Se com ela há muito mais luar,
    Por que viver
    Dias sombrios?
    Eu não posso me distanciar
    E me perder
    Dos seus carinhos
    Você é demais...
    Muito mais pra mim...
    Não é um bolero
    É amor sincero
    Que a tudo resiste
    Não a ter do lado
    Me deixa abalado
    E nada é mais triste
    A vida é à toa
    Não fica de boa
    Quem não tem um querer
    Eu tenho de tudo
    Mas me falta tudo
    Se eu não tenho você.

  • 6

    O tal do amor

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 03:41
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC:BR-LRO-15-00006)

    Djavan – Voz, Violão e Percussão eletrônica
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Me vejo ao seu lado
    Com o ego inflado
    Eu vivo a querer
    O seu amor
    Seja como for
    Teu beijo ardente
    Não sai da mente
    E o meu coração
    Não sabe o que é ilusão
    Se eu lhe chamar
    Você não olhar
    Vai me pesar, mas voa
    E eu espero “na boa”
    Sorrir pra mim
    É quase um jardim
    Onde pássaros voam
    E entidades atuam
    Pro bem querer o bem
    Se unificar
    E assombrar a dor
    Pra estarmos juntos
    Em nome do tal
    Do amor.

  • 7

    Aridez

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 04:10
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00007)

    Djavan – Voz e Violão
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Trompete
    Marcelo Martins – Sax Tenor
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Atravesso o deserto escuro
    Pra fugir da solidão
    Você que é meu farol,
    Não deixe eu me perder, não
    É você quem há de me tirar
    Dessa tremenda aridez
    Você que me faz sonhar
    Veja o que faz dessa vez
    Sonhador, devagar ou voando,
    Chego lá!
    De sonhar, eu sei
    Que já nem vivo mais
    E mesmo amando só
    A esperança não se desfaz
    O amor chega a ser um pecado
    De tão bom
    É a paz forjada
    Por conflitos mil,
    Abalos pontuais
    Quando se ama, vive-se mais
    Quantos beijos
    Poderíamos ter dado
    E os encantados dias
    Que como tudo indica
    Seriam
    Não faz mal
    Você é água da fonte
    Que irriga um coração
    Feito pra bater
    Pra sempre por você
    Amor!

  • 8

    Vidas Pra Contar

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 04:58
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00008)

    Djavan – Voz e Guitarra
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Marcelo Martins – Sax Soprano
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    No correr da noite
    Tudo é espreita
    Destemidos,
    Vaga-lumes luz-sombreiam
    Semiescondidos
    Muitos morreram
    Puros
    Sem ver a manhã
    À sombra da noite,
    Nos palacetes
    Dormem odaliscas
    Em seus retretes
    Serão mocinhas
    De sonhos verdes,
    Puras
    Na luz da manhã
    Fui ver vidas pra contar
    Enquanto o sono incerto
    Não vem
    Acolher
    Na noite eu perdi meu olhar
    Imagens não param
    De referir
    E envolver
    Não é natural,
    Mas fazia bem
    Não estar perdido
    Por ninguém.

  • 9

    Enguiçado

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 03:35
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00009)

    Djavan – Voz
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Trompete
    Marcelo Martins – Sax Tenor
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Tanto nego errado
    Enguiçado
    Dado a viver
    Com a coisa errada
    Inclinado a tudo ceder
    Se bem combinado,
    Em qualquer lado pode estar;
    Pouco importa o mal
    Que se vai causar
    Até treinamento
    Pra sair de "situação"
    Sob juramento
    Se diz sim
    Quando é pra ser não
    Vive dando o bote
    Em escala abismal
    Um a mais, outro mais
    Ou cem é normal
    Se hoje está ali
    É porque aqui não dá
    Mais nenhum
    Deixou de render algum
    Quando vai deixar
    De se interessar
    Por coisa ruim
    Se antes não era assim
    Muita falsidade
    Pouca glória, nenhum elã
    Uma pobre história
    Que foi grande
    E hoje é anã
    Seu comportamento
    Desastroso me quebrou:
    Disse: “vou ali, venho já”
    Se encantou por lá
    Nunca mais voltou.

  • 10

    Se não vira jazz

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 03:48
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00010)

    Djavan – Voz
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Trompete
    Marcelo Martins – Sax Tenor
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Pra conversar, brigar, beijar
    Eu to pronto pra tudo
    Não quero nada
    Sem solução
    Viver é mais que bom demais
    Quando o amor
    Tá incluso
    É um abuso
    De perfeição
    Eu te quero sã
    Como uma flor
    No ardor do calor da manhã
    Pra que lamentar
    O que a gente não fez?
    Passou
    Agora é outra vez
    Pra se ligar, pra discutir
    Como reconstruir nossa paz
    E o ideal de um lar
    Brilhar de novo
    Se não vira jazz
    Pra conversar, brigar, beijar
    Eu to pronto pra tudo
    Não quero nada
    Sem solução
    Viver é mais que bom demais
    Quando o amor
    Tá incluso
    É um abuso
    De perfeição
    A noite a passear pela bruma
    Verá em cada colina
    O quanto eu te amo
    Depois, a madrugada invade
    Um sonho em que tu me tinhas
    Amor de verdade!

  • 11

    Dona do Horizonte

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) - 03:57
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (IRSC: BR-LRO-15-00011)

    Djavan – Voz e Violão
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Flugelhorn
    Marcelo Martins – Flauta
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Eu já nasci,
    Minha mãe quem diz,
    Predestinado ao canto
    Ela falou
    Que eu tinha o dom
    Quando eu estava
    Na soleira
    Dos meus poucos anos!
    Foi indo assim, quando dei por mim,
    Já não fazia outra coisa
    Cantava ali, só pra ela ouvir
    E me dizer coisas tão boas...
    Por exemplo:
    Quero vê-lo o mais querido,
    Como nosso Orlando,
    Hei de ler seu nome escrito
    Em placa de avenida...
    Não vai mudar, toda mãe é assim
    Mãe é o nome do amor!
    Logo cresci
    Minha mãe ali
    Dona do horizonte
    Me fez ouvir
    Dalva de Oliveira
    E Angela Maria todo dia
    Deusas que adorava
    Tinha prazer
    Em me levar pra ver
    Luiz Gonzaga cantar
    Não sem deixar
    De advertir
    Pra que eu estudasse sempre mais
    E sem descanso
    Quero vê-lo o mais querido,
    Como nosso Orlando
    Hei de ler seu nome escrito
    Em placa de avenida...
    Não vai mudar, toda mãe é assim
    Mãe é o nome do amor!

  • 12

    Ânsia de Viver

    /
    Ficha técnica | Letra
  • Ficha técnica

    (Djavan) – 04:19
    Luanda Edições Musicais Ltda.
    (ISRC: BR-LRO-15-00001)

    Djavan – Voz e Violão
    Carlos Bala – Bateria
    Marcelo Mariano – Baixo
    João Castilho – Guitarra
    Jessé Sadoc – Flugelhorn
    Marcelo Martins – Sax Tenor
    Paulo Calasans – Teclados

    Letra

    (Djavan)

    Se pretender me dominar,
    Sou escravo
    Visando a nada lhe faltar
    Me endivido
    E nessa ânsia de viver,
    Eu me mato
    Pra me aquecer
    Com o seu calor
    Se quer saber por que você,
    Logo direi:
    É um bater descompassado
    Que me vem
    Nem é preciso Deus dizer
    O certo sou eu
    Pra conviver
    Com os lábios seus
    E na luz que existe
    Para o dia iluminar
    Vê-se um par romântico
    Se beijar se olhando
    No fundo azul
    É zoom, é zen
    Você e eu
    E mais ninguém
    Já que o amor soberano
    Pode enxergar no escuro,
    Vou estar sempre esperando
    Você me aclamar
    O seu porto seguro